4.11.19

6 dicas para comprar a aliança perfeita


Decidir qual aliança comprar é sempre uma tarefa difícil, seja de compromisso, noivado ou casamento, por se tratar de um artigo que representa a união do casal é importante escolher bem para não escolher errado. Pensando nisso, trouxe nesse post 5 dicas para comprar a tão sonhada aliança:

1. Estilo e conforto

O primeiro passo é definir o estilo que gostaria da aliança e a finalidade dela, se você esta buscando uma aliança de compromisso tem uma liberdade muito maior para ousar na escolha de um modelo diferente, porém se a aliança for para noivado ou casamento a tensão acaba sendo maior para escolher o modelo favorito, mantenha a calma e lembre-se que a aliança acima de tudo é para simbolizar a união do casal e deve ser apreciada pelos dois, não esqueça de respeitar seu estilo e prezar pelo conforto, afinal, você usará muito a peça. Crie uma pastinha com todas as ideias e referências, isso vai ajudar bastante quando for efetuar a compra.

2. Escolha o material adequado


A escolha do material é outro item que deve ser levado em consideração no primeiro momento, além de escolher a aliança pela beleza, fique atento ao material e ao que ele oferece. Os materiais mais comuns e escolhidos são:


Ouro: O ouro é o material mais clássico e mais cobiçado para quem busca alianças de casamento, quanto maior o quilate, maior a porcentagem de ouro e em consequência maior o preço. Alianças de ouro branco tendem a ser mais caras que de ouro amarelo, é possível mesclar também 

Prata: Por possuir um metal mais suave, a prata requer mais cuidados e esta mais suscetível a arranhões e danos. Nesse caso é importante que sejam banhadas em ródio para garantir o brilho e diminuir o processo de oxidação.

Platina: Esse material não precisa ser banhado em ródio mas em contrapartida possui um valor mais alto, mesmo possuindo um tom natural de branco lindo é importante levar em consideração que esse material é mais denso e que torna a aliança mais pesada, o que pode dificultar a escolha caso o que for ser levado em conta seja o conforto.


3. Histórico e credibilidade da joalheria

Essa é a parte crucial, opte por joalherias que tenham história no ramo e que ofereçam credibilidade. Com mais de 40 anos de história as Lojas Rubi, une tradição e preço justo. Trazendo produtos de qualidade, possibilitando a compra online com preços mais atrativos e a retirada nas lojas físicas. Maravilhoso, né?

4. Garantia e suporte

Garantia e suporte são cruciais para comprar uma aliança e trazem mais credibilidade para a loja escolhida. Garantia eterna para alianças é o recomendado, pesquise a loja nas redes sociais também, para saber o relacionamento dela com os clientes.

5. Preço

O preço é um dos maiores agravantes no processo e deve ser justo de acordo com o modelo e o material escolhido. Pensando nisso as Lojas Rubi tem preços incríveis para caber no seu bolso, com alianças de prata a partir de R$ 83 reais e com promoções para deixar todo mundo feliz.

6. Compre online

Cogite comprar online, pois os preços geralmente são mais atrativos e a oferta de variedade em modelos é maior. Se a compra puder ser online e a retirada puder ser presencial, melhor ainda, né? Com as lojas Rubi essa possibilidade é real, o que permite que você escolha o modelo perfeito de aliança no conforto da sua casa e que faça a retirada em alguma das lojas físicas tendo o prazer de buscar o produto e conhecer mais opções de modelos.

E ai, gostaram das dicas?

*esse post foi patrocinado*


9.4.19

Conheça tudo sobre a saia godê e invista nesse item de moda feminina

Criada pelo estilista francês Christian Dior nos anos 50, a saia godê nasceu com o intuito de agregar feminilidade e romantismo ao visual das mulheres, por seu efeito rodado e levemente esvoaçante. Nos dias atuais, essa peça do vestuário feminino pode ser usada no intuito de criar looks femininos delicados, mas também pode ser combinada com t-shirts, camisas, jaquetas, bodies e outros elementos para fazer uma mescla de estilos. 

A saia godê é uma peça mais marcada na cintura e, por ser feita de tecidos mais encorpados, sua estrutura tem forma arredondada e mais avolumada na região dos quadris. O comprimento dos modelos de saia midi pode variar, sendo mais curta, abaixo dos joelhos ou longa. Para usar essa peça, algumas informações são essenciais para te deixar ainda mais bonita. Quer saber mais? Vamos ver a seguir. 

Dicas de looks com saia godê 
 Saias godê de tamanho mais curto são muito simples de usar. Você pode fazer uma produção mais despojada com o uso dessa peça unida a uma camiseta de banda e tênis para sair com os amigos e ir a barzinhos ou shows. Caso você prefira uma combinação mais romântica, aposte na regata de cetim e salto anabela para almoços em família, idas ao cinema e à lanchonete. Além disso, regatas básicas e sandálias de estilo rasteirinha evidenciam a saia godê e são uma forma de passear em qualquer lugar com muito conforto. 

Já para quem deseja criar looks com saia para noite, como um jantar especial, igreja ou eventos corporativos, a saia midi é a mais indicada. O modelo de saia godê nesse comprimento torna o visual mais sóbrio e delicado, velando a sensualidade e, por isso, se tornando perfeita para noites de gala. Já para baladas, aposte na saia curta. O que fará diferença é o tecido para saia godê que será usado. O couro sintético e o cirrê são ótimas opções, ainda mais se combinados com botas de cano curto ou sandálias pesadas e atraentes. 

saia godê longa é daquelas peças que vão te deixar deslumbrante. Os detalhes como renda, transparência e estampas são perfeitos para incrementar o visual para cerimônias como casamentos e formaturas, além de outros momentos em que você queira adicionar elegância ao look. 

Sabia que a godê é um dos tipos de saia que combinam muito com o inverno? Por serem feitas de tecidos mais espessos, você pode usá-la com moletons, jaquetas, meias grossas e botas. Uma saia godê preta ou de outra cor neutra e escura deixa o look muito estiloso e elegante. 

Como acertar (sempre!) ao usar sua saia midi 

O gosto e estilo de cada mulher é muito particular, mas, já que a saia godê é uma peça com características bem marcantes, que tal aprender a adaptar essa roupa ao seu estilo e corpo? Assim, você pode usar sua peça da melhor forma e valorizar ainda mais a sua silhueta: 
Como essa peça é mais rente à barriga, é importante se atentar para que ela não marque a área de forma indesejada, principalmente se você evita realçar essa região do corpo. Se você tem esse receio, prefira modelos de saia godê com faixas mais grossas, ou use cintos desse tipo, para não dividir a barriga.
Apesar de faixas grossas serem ideais, não pense que um cinto fininho não pode ser usado também. Um cinto mais fino marca a cintura e cria a divisão entre o tronco e as pernas. Outros acessórios que podem ser aliados na composição de looks com saia godê são os colares compridos, que alongam a silhueta e criam uma bela linha vertical.
Ainda que muitos tipos de saia godê sejam mais encorpados, você pode usar peças de tecido mais fino para dar um ar de leveza ao look. Assim, você consegue combinar sua saia com diversas roupas femininas.
A saia godê midi é um dos modelos mais procurados por todos os tipos de mulheres. Mesmo assim, aquelas de estatura mais baixa costumam ter receio em utilizar uma saia nesse comprimento. Nem por isso é preciso deixar de lado a saia godê midi: escolha sapatos de cor nude, de salto e que deixem o peito do pé à mostra. Dessa forma, a silhueta é alongada, tornando essa saia uma peça essencial no guarda-roupa de mulheres mais baixas.
Por ser mais aberta, e não totalmente reta como outros tipos de saia, a godê é perfeita para equilibrar a silhueta de mulheres de ombros largos e quadris mais estreitos, ou seja, com o corpo em formato de “triângulo invertido”. O uso da saia godê faz com que os quadris acompanhem a largura dos ombros, trazendo maior harmonia para o desenho do corpo.
 A saia godê é o exemplo de que um item de moda pode ser democrático, versátil e atemporal. Desde que Dior criou a saia com esse desenho, inúmeras oportunidades para se usar essa peça surgiram. Portanto, da próxima vez que for comprar roupas, não deixe de experimentar a saia godê e criar muitos looks a partir dela. Com certeza, ela será a melhor amiga do seu guarda-roupas! 

Agora que você já conhece tudo sobre a saia godê, continue navegando e saiba mais sobre muitos assuntos. 

21.12.18

Sandálias femininas: conheça a história e as principais características desse tipo de calçado

As sandálias são os itens mais básicos da sapateira feminina. Com opções em diferentes tamanhos e estilos, toda mulher tem pelo menos um desses calçados na sapateira. Seja em épocas quentes ou frias, é sempre possível combinar os diversos modelos de sandálias com as roupas adequadas para cada ocasião e estilo.

Confortáveis, esses calçados podem ser básicos parao as casualidades do dia a dia ou elegantes para aquelas situações em que você quer arrasar no look. A versatilidade das sandálias é muito conhecida, mas você sabe qual é a história desse modelo de calçado? Separamos um guia rápido sobre o surgimento e evolução da sandália, venha conferir!

A história da sandália


A sandália é um dos estilos mais antigos de calçados e isso não é surpreendente, considerando a sua praticidade e design simples. Ela mantém os pés frescos e protegidos e, com o passar do tempo foi adquirindo também um valor estético. O que muitos podem não saber é que o seu surgimento é bem mais antigo do que pode parecer.

Estima-se que os homens das cavernas já usavam um estilo de sandália bem rudimentar, cerca de 10 mil anos atrás. A parte da frente era dobrada como um bolso para proteger os dedos e a sandália era amarrada ao pé com uma tanga. Algumas civilizações antigas acrescentavam ainda a pele de animal, como pele de coelho, para ter um conforto extra.

Os antigos egípcios também eram adeptos da sandália, geralmente feitas de papiro e folhas de palmeira, elas eram privilégio da nobreza, dos sacerdotes e dos soldados de alta patente. Da mesma forma, antigos romanos também tinham esses calçados antigos, que, a princípio, eram usados pela elite, mas com o passar do tempo foram sendo adotados por todos os romanos, mas cada classe possuía o calçado em um estilo e com materiais diferentes.


Como o nome sugere, foi na Roma antiga que criaram o que hoje chamamos de sandália gladiadora. Contudo, quando o Império Romano tornou-se cristão, ter os dedos dos pés expostos era visto como indecente, portanto as sandálias estilo romano praticamente desapareceram. Durante a Idade Média e o Renascimento, os calçados eram fechados e ,muitas vezes, com salto e certos exageros estéticos.

Após a Idade Moderna, os sapatos estavam no auge das criações, mas foi somente na década de 30 que as sandálias finalmente reapareceram, devido à guerra restringia
materiais como couro, já que sapatos abertos feitos com menos material faziam mais sentido econômico.

Falando sobre a cultura oriental, no Japão do século I um tipo de sandália comum era o Zori, feito de palha com um pedaço de couro colocado entre os dedos. Em outros lugares, em países como a China e as Filipinas, a sandália era um produto de estilo popular, trabalhada a partir de palha de arroz ou madeira. Após a Segunda Guerra Mundial, os soldados americanos levaram as sandálias para outras regiões do Pacífico, onde ganharam ainda mais popularidade.

Já na década de 1950, um estilo popular de sandália era o mule de salto alto, uma das marcas registradas das pin-ups da época. Depois vieram as sandálias hippie básicas de couro, usadas por homens e mulheres durante a década de 1960, geralmente com um simples anel de couro ou uma correia em V.

A partir de então, um boom de estilos de sandálias tomou conta da moda feminina e masculina, ainda que nesse último caso, hoje em dia, isso fique bem mais restrito. Enquanto as mulheres contam com novos designs e cores, dando inúmeras opções de sandálias de todos os estilos, os homens possuem um leque pequeno de variedade.

Tipos de sandálias para cada ocasião


Cada sandália tem uma finalidade diferente. Calçados tipo flip-flop são ótimos para os dias quentes, para dar um descanso para os pés no dia a dia ou simplesmente para ficar relaxado dentro de casa. Geralmente planas, essas sandálias são itens obrigatórios para curtir o verão na praia, por exemplo.

Sandálias rasteirinha, por outro lado, podem ser usadas a qualquer hora e em qualquer lugar. Confortáveis para qualquer hora do dia, elas vão de designs básicos até modelos mais decorados que servem para situações um pouco menos casuais. Já sandálias de salto alto costumam ser mais elegantes, como as de salto agulha ou meia pata, muito usadas para festas formais e eventos noturnos em geral.

A altura dos saltos das sandálias também é pensada para oferecer uma certa atitude e personalidade. Os modelos planos possibilitam andar e se movimentar confortavelmente, enquanto os de salto alto exigem mais confiança e elegância. As cores também ajudam a representar um estilo próprio. Há quem prefira tons semelhantes às suas roupas, mas também há quem use cores de sandálias em tons mais chamativos e vibrantes para formar um contraste. Não existe regra quanto a isso!

A cor, o design e o estilo são escolhas pessoais, porém o indicado é sempre escolher sandálias confortáveis, e não apenas bonitas ou elegantes. Seja de salto alto, médio ou nenhum salto, o importante é estar à vontade

*ESSE POST FOI PATROCINADO* ~graças a Deus~