O Duque e Eu - Julia Quinn

27.4.15
SINOPSE
Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível. É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo.
Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga. A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta.
Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida.

INFORMAÇÕES
Título original: The Duke and I.
Autor(a): Julia Quinn.
Série: Os Bridgertons - Livro 01.
Editora: Arqueiro.
Páginas: 288.
Ano de publicação: 2013.
No Skoob
★★★★★
O Duque e Eu é o primeiro livro de uma série de oito livros - mas apenas cinco deles lançados no Brasil -, nos quais, contam a história da família Bridgerton; composta pela matriarca, Violet e, (por nada menos que) seus oitos filhos.
Em cada livro traz a história de um dos filhos de Violet e, claro, um pouco mais sobre essa família tão adorável.
Os Bridgertons são conhecidos por serem bastante parecidos, principalmente os homens. E pelo método de dar nomes aos filhos, de acordo com a ordem alfabética.

* TÍTULOS PROVISÓRIOS
OPINIÃO
O Duque e Eu foi o primeiro Romance de época que li, e confesso que tive um pouco de receio, no início. Não sabia muito o que esperar, nem como seria a escrita da Julia. Mas já tinha visto/ouvido falar tantas maravilhas sobre Os Bridgertons, que foi impossível não ficar tentada... A curiosidade falou mais alto e eu tive que passar esse livro na frente de outros. E para alívio e felicidade dessa que vos escreve, eu não me decepcionei! 
A escrita de Julia é suave e divertida. Quando você percebe já está sentada há horas com o livro nas mãos e quase terminando a leitura. Bom, pelo menos comigo foi assim. Perdi a noção do tempo e esqueci do mundo (não é uma maravilha quando isso acontece?!).
Depois de tantos romances mais dramáticos e sagas que eu estava lendo ultimamente, O Duque e Eu foi uma leitura agradabilíssima e hilária. Além de ainda ter que ficar suspirando pelos personagens da Julia, que para ser sincera, é quase impossível não se apaixonar.
Me pego até imaginando se eu não merecia um Simon na minha vida... ou um Antony, Benedict, Colin... Está vendo? É quase impossível se apaixonar só pelo mocinho do romance em questão.

Falando em mocinho, vou falar um pouco sobre Simon Basset, o duque de Hastings. Simon é um típico libertino. Pelo menos é o que as más línguas falam (e as boas também), porém teve uma infância um tanto sofrida. Sua mãe que já tinha tentado dar luz á um filho diversas vezes, só conseguiu o que queria com uma idade avançada. E por complicações no parto, acabou falecendo. O pai de Simon, o duque de Hastings, estava cheio de si por enfim conceber um herdeiro. Mas nem tudo são flores...
Quando Simon vai crescendo, ele apresenta certa dificuldades em falar. E quando enfim consegue, ele gagueja. Pois é. E você pensa, mas qual é um problema nisso? O problema é que o duque acha que quando enfim conseguiu ter um filho, ele acabou sendo um idiota, que não sabe sequer falar direito. O duque acaba não dando a mínima para a criança, oferecendo apenas apoio financeiro a Simon, que cresceu aos cuidados dos criados.
Mas Simon era inteligente e determinado. Com a enorme mágoa que sentia pelo pai, ele encontrou a determinação para controlar sua gagueira. E com o passar do tempo, Simon foi controlando cada vez mais esse problema. Logo, foi se tornando popular entre os amigos e sendo conhecido por muitos, como um homem confiável e de poucas palavras. Demonstrando sinais de gagueira apenas quando está nervoso.
Depois de 6 anos viajando pelo mundo e com a recém morte do pai, Simon volta para Londres e tenta se manter o máximo possível afastado das festas da sociedade. Mas, como é o novo duque de Hastings, ele acaba se tornando um alvo para as mães desesperadas que querem casar suas filhas com um bom partido.

Quando Simon conhece a espirituosa e adorável Daphne Bridgerton, a irmã de seu melhor amigo, Antony. Ele tem a ideia de fingir corteja-lá, para que assim, ele fique livre das outras mães que querem casar suas filhas com ele e Daphne consiga a atenção de outros pretendentes. Já que ela só consegue ser vista com uma boa amiga pelos outros rapazes, e só recebe propostas de casamentos de homens que tem idade de ser seu pai.
"Seu rosto em formato de coração não era bonito segundo os padrões da sociedade, mas alguma coisa nele o deixou sem fôlego."
Daphne é uma jovem cheia de humor e decidida; cresceu sendo a mais velha das mulheres na família e sofre com a pressão das jovens daquela época: conseguir, de preferência, rapidamente, um bom casamento. É por causa dessa pressão, que Daphne aceita a proposta de Simon. E os dois logo se veem envolvidos nesse plano que tem tudo para dar errado (ou não). Pois Daphne e Simon vão percebendo que o vínculo que criaram um com o outro, vai muito além da amizade...
O problema? Simon não quer um relacionamento! 
Na verdade, ele prefere qualquer coisa a ter que se casar. E Daphne quer exatamente o contrário: um casamento feliz e muitos filhos. O negócio é que Simon não imaginava se sentir tão atraído por alguém. E ele vai ter que decidir se quer dar uma chance ao que poderia vir a ter com Daphne ou à uma promessa que fez no passado.
"Os olhos dela se fecharam e os lábios se entreabriram. E, no fim, foi inevitável."
Tenho que admitir que dei boas risadas com Daphne, principalmente nos diálogos dela com os irmãos mais velhos e com a mãe. Sinceramente, cheguei a gargalhar em certos trechos (o que fez minha mãe me olhar estranho e se perguntar o que tinha feito de errado para filha ser assim... mas ok!)
Quinn criou uma personagem tão cativante, que quase desejei que Daff fosse minha melhor amiga. Ela é espirituosa e não fica paradinha no canto sofrendo calada. Ela é daquele tipo, que quando quer algo, faz acontecer. E isso foi uma das coisas que mais gostei na história. A personagem não faz muito drama. Na verdade, Julia não se ligou muito a dramas, encerrando-os rapidamente, o que fez a leitura fluir ainda mais rapidamente.

Ah, quase me esqueci, no início de cada capítulo tem um trecho das crônicas da sociedade de Lady Whitstledown. Que é meio que uma coluna de fofocas sobre o que anda acontecendo na sociedade. Ela deve ter algum tipo de poder para conseguir ficar sabendo sobre (quase) tudo que acontece. Só pode! O que deixa seus leitores um tanto assustados e impressionados (e irritados também). Os trechos ainda são bastantes divertidos e cheios de personalidade.
Quem é Lady Whistledown? Ninguém sabe! Pode ser um homem ou mulher, jovem ou velho. Ninguém tem a mínima ideia. A única coisa que sabem, é que ninguém quer perder as notícias que Lady Whistledown tem para contar sobre a sociedade londrina...

  • O Duque e Eu mostra como as coisas funcionavam um pouco naquela época em Londres, de uma forma bem divertida e romântica. Trazendo personagens cativantes e diálogos bem trabalhados. Uma ótima escolha para quem quer uma leitura mais leve com um pitada de clichê!

Então, alguém aí já leu? Alguém que já acompanha a família Bridgerton? Se tiver, cometem aí sobre o que acharam do livro.
Redes Sociais: INSTAGRAM | SKOOB

Comente com o Facebook:

6 comentários :

  1. Eu amo essa série, muito, muito mesmo. Então sou completamente suspeita para falar de qualquer livro que seja ou até mesmo da escrita de Julia Quinn, uma das autoras que vai me levar à falência, já que eu sempre compro os livros na pré-venda. Eu já li todos os lançados aqui no Brasil até agora e só não releio por falta de tempo. Agora que você começou não vai mais querer parar, sério. É impossível não se apaixonar por essa família, principalmente pelos homens (mas já vou logo avisando que o Benedict é meu, então mantenha distância porque sou ciumenta hahaha). Amo a relação que eles tem, ainda mais essa coisa da Daff ser competitiva e adorar provocar os irmãos.
    Aii, amo tanto que poderia passar horas só falando desses lindos <3
    E ó, o layout do blog tá incrível!
    Beijo

    www.blogrefugio.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAHAHA, Já estou completamente apaixonada por essa família. Colin é o menu amor. <3 kkkk

      Excluir
  2. Faz tempo que tenho vontade de ler esse livro, mas... uma série de OITO LIVROS?! Ai, desanimo. Porém, ainda pretendo lê-lo.Talvez nas férias.

    Mas deixa eu dizer uma coisa: QUE BLOG LINDO! ♥ Apaixonada.

    Beijos!
    Wink!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mulher, vai comprando, que você nem percebe que são oitos. Você vai se apaixonar por essa série. <3

      Excluir
  3. Estou numa fase de leituras... e mais ainda por romances! [será que estou carente e não sei? rs]
    Fui na Saraiva esse final de semana e peguei na mão este livro... fiquei pensando se era bom... levo ou não levo... Agora fiquei triste porque não trouxe ele pra casa =(
    Buttt, pq q esse título me chamou a atenção na prateleira? O sobrenome Quinn me lembrou um seriado que vi há um tempo e revi no ano passado: Dra Quinn!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AAAAh não, você devia ter comprado. Mas na próxima você compra, não é?
      Se for questão de carência, digo logo, que sou um caso perdido. HAHAHA

      Excluir

Você não precisa de um blog para comentar <3
Pode comentar a vontade, dar sugestões bater um papo comigo e fazer criticas desde que essas acrescentem alguma coisa. Sinta-se em casa, só não vale ser grosseiro tá?