Lorn, & o Witchouse ainda vive

2.11.16
Marcos Ortega, mais conhecido pelo seu nome artístico Lorn, é um músico eletrônico americano.

Lorn nasceu no estado Estadunidense de Illinois, mas mais tarde morou em Milwaukee, Wisconsin. Ele ficou conhecido precocemente como um DJ devido ao seu remix da música grimes de Jammer "Better Than". Lorn assinou com o selo Flying Lotus, Brainfeeder, em 2009 e lançou seu primeiro álbum, Nothing Else, em junho de 2010.  Ele lançou seu segundo álbum, Ask The Dust, pela gravadora Ninja Tune em 2012. 

O videoclipe acima é o vencedor da categoria de "Best Dance Music Video" de 2015 UK MVA
No Festival de Milão Showcase em 2015. Seu trabalho audiovisual é enrouquecedor e próprio do estilo. É algo um pouco diferente do que venho trazendo aqui para o Agridoce, mas na base eletrônica existem tantos afluentes para diversos estilos de musica que as vezes fica até difícil classificar e vejo suas música mais como Witchouse, é interessante ver como o estilo persevera na mão de novos jovens artistas. Canções embaladas em melodias nebulosas, com batidas programadas e design elegante. As bases rítmicas das trilhas atingem com clareza definida e força desorientadora - mesmo  que em ''Bretagne'' a batida pareça mais como granizo em chapa metálica. Tudo isso pode parecer antagônico e alienante se não fosse pela cor melódica que preenche o restante espaço negativo passado pela música. As melodias são limpas e lineares, disparadas através do som brilhante e dominante. Com o hip-hop instrumental em fase de renascimento, Marcos Ortega torna-se o mais recente nome estabelecido para se juntar à lista da Gravadora Ninja Tune, cada vez mais orientada para linhas graves.
O álbum ''Ask the Dust'' nomeado em homenagem ao romance de culto de 1939 de John Fante, é uma proposta se para afastar dos limites auto-descritos "frios e rigorosos" de sua produção anterior, que foi grande salto em frente com a adição de vocais semi-inaudíveis e um som mais escuro, mais sombrio, mais ameaçador que incorporou elementos de technogrime, dubstep, industrial e hip-hop. Não só foi mais um álbum complexo e criativo, mas também foi mais completo do que sua estréia, colocando Lorn entre indiscutivelmente os produtores eletrônicos mais emocionantes a emergir nos últimos anos. 'Vessel' é o terceiro álbum de Lorn, sendo silenciosamente auto-lançado em 30 de dezembro. Seguidores de suas contas de mídia social foram alertados pela primeira vez na véspera de Ano Novo, juntamente com uma mensagem no Facebook insinuando mais música para vir em 2016.
Lorn continua a evoluir o seu som em 'Vessel', Com apenas 25 minutos de duração tendo mais de uma abordagem minimalista ainda refinado desta vez. Apresentando dez faixas, o álbum preto e branco obra de Hélène Jeudy e Antoine Caecke reflete a atmosfera geral encontrada em 'Vessel' perfeitamente. Há alguns momentos desolados e inquietantes que certamente não se sentiriam fora de lugar em um filme distópico ou um jogo de vídeo escuro, mas também há alguns momentos mais claros também, produzindo um equilíbrio agradável entre o sombrio e o belo.

'Broken Mantra' faz 'Vessel' abrir-se com sua trilha mais opressiva, deixando-o sem esperança ao culminar de seus dois minutos e meio. É um começo difícil, mas o peso é imediatamente levantado pelo lindo 'Anvil', uma faixa que está entre algumas das melhores peças de trabalho que Lorn produziu até agora, na minha opinião.

Vessel demonstra a evolução do som de Lorn, mas os temas explorados embalam um soco que deixará você sedento por mais. "Conduit" sozinho é uma peça que vai começar deixando a sua cabeça girando, como sua linha de baixo principal liderando a temática, atravessa os pontos mais escuros da sua mente sonolenta. Linhas de Synth.  Se você cavar mais fundo e encontrará terras fascinantes, atravessando um terreno de figuras geométricas abstratas representadas em som meticulosamente trabalhado.

Comente com o Facebook:

0 comentários :

Postar um comentário

Você não precisa de um blog para comentar <3
Pode comentar a vontade, dar sugestões bater um papo comigo e fazer criticas desde que essas acrescentem alguma coisa. Sinta-se em casa, só não vale ser grosseiro tá?