The XX: Eu vejo você, e blue Phase

10.5.17

Essa minha vontade de traduzir as vezes destroem os títulos dos meus reviews aqui no Agridoce, no entanto, ainda creio que existe uma parcela de que ignora minhas gafes, (suspiro), então aqui estou, com um título ruim e... Eu procrastinei demais, além da falta de tempo, estava com medo de escrever algo precipitado e verde, havia essa necessidade de captar toda a estética sonora desse álbum, e te asseguro de que esse será o melhor review desse ano... até agora.

I See You, o terceiro álbum do The XX, soa como uma tentativa de incorporar todos os talentos em uma nova versão de seu som, verdadeiro caminhando para suas raízes, mais rico e mais variado.



Em termos de material de produção The XX mantém sua personalidade, mas para quem conhece o trabalho paralelo de Jamie XX,  o produtor e programador com sua habilidade infalível de encontrar ritmos que se encaixam com as emoções, fez com que cada melodia obtivesse sua batida perfeita. Pode notar um escoamento de similaridades sonoras do projeto com as músicas de I See You. Fica visível na grande faixa de abertura Dangerous, Replica. E para quem não sabe do projeto é só clicar aqui, aqui ou aqui para conhecer um pouco. As amostras de Jamie xx formam a espinha dorsal de várias canções, permitindo que eles se mudem para um território que seria impossível com uma guitarra, um baixo ou percussão programada, por exemplo. A essência de Jamie xx é facilmente reconhecível no momento em que você ouve, permitindo que sua memória preencha os espaços em branco como a música se move e muda em torno dele.

O Aesthetic voltado para o tom azul e atenta a fotografia dos videoclipes que revelam-se saudosistas a juventude londrina.

Quanto a Romy e a Madley Croft não há grande alcance ou profundidade em suas vozes, mas eles são espertos e engenhosos cantores, capazes de dar forma ao significado através de sutis inflexões e mudanças no fraseado, seja pela construção das letras ou pela divisão vocal que incita uma personalidade, trazendo a mágoa, impotência, medo... "Performance" e "Brave for You", ambos são músicas clássicas do The XX , eles estão nus e de reposição, com cordas e guitarra Madley Croft e um monte de silêncio. Cerca de um terço do álbum funciona com arranjos abertos como este, enquanto outros fazem um uso criterioso de amostras e camadas de sintetizadores e sequenciadores. "Dangerous" abre o álbum com uma explosão surpreendente e é logo de cara que você pensa ''isso será diferente'', não é só o diferente, é melhor que Coexist.


Comente com o Facebook:

0 comentários :

Postar um comentário

Você não precisa de um blog para comentar <3
Pode comentar a vontade, dar sugestões bater um papo comigo e fazer criticas desde que essas acrescentem alguma coisa. Sinta-se em casa, só não vale ser grosseiro tá?