31.12.17

O ano será o mesmo se você não mudar

2017 foi um ano daqueles, né? Eu vi minha vida sendo arrastada e boom, já estávamos, no meu aniversário, às vésperas de natal. Confesso que foi um ano difícil, cheio de altos e baixos (mais baixos do que altos), me senti sendo levada por um sentimento horrível, de estar parada, de perceber o quanto eu reclamava das coisas e quanto eu achava que tudo que as pessoas faziam ou diziam que me magoava, era de propósito, quase como um ataque, sabe?
Confesso que passei um ano enfiada numa maré de tristeza, me sentia mal por não estar realizada profissionalmente, principalmente como blogueira, não tinha tempo para os meus compromissos do blog e tudo que eu conseguia mais fazer era me colocar ainda mais pra baixo, comparando minha vida com a de pessoas que supostamente eram bem sucedidas e que tinham mais coisas do eu, seguidores, reconhecimento, dinheiro e afins.
Mas o que demorou mesmo para eu perceber, e que eu quero acreditar que de alguma maneira percebi e que isso significa que ainda não é tarde, é o quanto de esforço que eu estava depositando em me afundar, o quanto de esforço que eu estava colocando nas minhas reclamações, nas chateações por as pessoas não terem me convidado para uma festa ou para comer com o grupinho delas. Eu me senti sozinha, diversas e diversas vezes esse ano. Como se eu realmente não pudesse contar com ninguém, o que eu não estava percebendo é que não estava podendo contar nem comigo mesma. Eu vivia me boicotando, tudo eu falava que não ia dar, arrumava desculpas, ficava me queixando sobre as pessoas escolherem sair com outras pessoas que não fossem eu e hoje refletindo sobre isso me pergunto: Eu me permitia ser convidada? Eu me permitia convidar? Ou só esperava desesperadamente que alguém me notasse?
Confesso que depois de muito me sentir mal com essas coisas, eu cansei e foi exatamente ai que eu percebi o quanto essas coisas pequenas estavam sendo capazes de tirar o meu equilíbrio (que nunca foi muito bom), já parou para pensar no quanto de força você gasta se estressando no trabalho, em relacionamentos ruins ou em como as outras pessoas conseguem as coisas rápido e você não? Eu sei que é um lance difícil e complicado, mas essas coisas vão sendo moldadas um dia de cada vez e uma hora a ficha cai que a gente precisa criar um filtro pra essas coisas também, que a gente precisa preservar o máximo a nossa força e saúde e focar sem ter medo de errar ou de cair no nosso caminho e nas nossas escolhas. Pensa comigo, a quantidade de energia que você gastou com coisas imbecis e bobas, você conseguiria ter se programado para aquela viagem? Conseguiria ter aprendido aquela língua que tanto queria, conseguiria entregar um trabalho excelente e se orgulhar dele? Provavelmente sim.
sim, é celulite :*
A gente passa dias remoendo uma briga, passa dias estressado com um chefe ou com o grupo da faculdade/escola, mas quantos dias a gente passa se dando o direito de sonhar com as coisas que a gente quer? Quando a gente começa a colocar a ideia no papel e começa a fazer surgem milhares de novas desculpas e de pretextos (você no fundo, sabe que é verdade). 
A vida não é só feitas de agradecimentos, porque para enxergar e agradecer as coisas que aconteceram nela, é preciso também entender o que deu errado e pesar para compreender o que realmente você aprendeu sobre, o que realmente aquela coisa ruim e desagradável te ofereceu de bagagm, afinal, ninguém consegue se tornar forte sem ter caído algumas vezes. A queda é precisa, assim como o amor muda a gente, a dor também muda.
Da maneira mais positiva que você encontrar, seja grato por cada pessoa e acontecimento que passou na sua vida, porque se você olhar bem lá no fundo vai perceber que cada um deles te ensinou alguma coisa, alguma lição e fez parte para um novo você.
2018 pode vir, cheio de oportunidades novas e de conquistas. Quero aprender tanto quanto com 2017 mas pretendo estar mais forte e confiante dessa vez. Coisa boa atrai coisa boa e consequentemente coisa ruim também. Então bora extravasar coisa boa e esperar o mundo trazer de volta.
Vou parando por aqui porque esse post já ficou gigante SOS.

Lookinho confortável para andar com a miga Carla (obrigada pelas fotos), sem torrar no calor de SP. O macaquinho é do Bonnie & Clyde OBrechó, blusinha antiguíssima que paguei 9,99 da Emme, All star azul bem Cássia Eller, Bolsa da Miniso e Brincos Mundo Criativo.


Pra entrar em 2018 com o clima mais zueiro que der.

Gostaram? Me contem sobre os planos e sobre o que tiraram de lições do ano de 2017.

Comente com o Facebook:

2 comentários :

  1. Si! Que post mais lindo e sincero. Fico feliz que você tenha tido a percepção e com isso tenha conseguido mudar. Muitas pessoas passam a vida inteira se lamentando e nem mesmo assim conseguem mudar, ou entender que essas palavras negativas atraem mais coisas negativas. Hoje em dia posso ver isso, convivi com uma pessoa que reclama de tudo o tempo todo e o desgaste emocional que isso me causou foi complicado. Mas acredite se quiser, quando conversamos sobre isso ela mudou e depois ficamos um grude que só (isso foi no meu antigo emprego). Espero que em 2018 você alcance e se realize ainda mais como blogueira e embora eu não comente em todos os posts, eu acompanho DEMAIS seu canal no youtube e o blog. Então sucesso viu gatinha ♥

    ResponderExcluir
  2. Amei seu post , super sincero . É muito bom a gente ter esse conhecimento e nós mesmas e conseguir , parar se analisar e começar mudanças . Isso nos faz aprender um monte de coisas . Espero que esse ano seja lindo pra você ! Beijos <3


    fazfavordonalia.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Você não precisa de um blog para comentar <3
Pode comentar a vontade, dar sugestões bater um papo comigo e fazer criticas desde que essas acrescentem alguma coisa. Sinta-se em casa, só não vale ser grosseiro tá?